"Charcos Temporários: um habitat natural a proteger!"

À descoberta da fauna noturna dos charcos

> O Projeto LIFE Charcos promoveu duas atividades de sensibilização, nos concelhos de Odemira e Vila do Bispo, onde deu a conhecer os animais noturnos que estão associados aos charcos temporários.

 

Apesar das noites ainda frias de abril ameaçarem chuva, miúdos e graúdos de lanterna na mão e botas de borracha calçadas, partiram à descoberta dos morcegos e dos anfíbios que povoam os charcos temporários mediterrânicos da Costa Sudoeste.

Estas atividades de “descoberta da fauna noturna dos charcos” aconteceram nas noites de 8 e 9 de Abril de 2016, promovidas pela equipa do Projeto LIFE Charcos, com o apoio dos Municípios de Vila do Bispo e de Odemira, em visitas aos charcos temporários destes dois concelhos.

A saída noturna em Vila do Bispo decorreu no dia 8, sexta-feira, onde estiveram presentes três dezenas de participantes, entre crianças e adultos. A sessão iniciou-se com uma apresentação sobre a biologia e ecologia dos morcegos, pelo biólogo Tiago Marques da Universidade de Évora, e outra apresentação sobre as principais características dos anfíbios associados aos charcos temporáriosos da Costa Sudoeste, pelo biólogo Edgar Gomes da LPN.

De seguida os participantes visitaram um charco nas proximidades de Vila do Bispo para que pudessem acompanhar os biólogos nas descobertas destes dois grupos da fauna dos charcos.

Infelizmente não foi registada a presença de nenhuma espécie de morcego na zona, talvez devido às condições meteorológicas com frio e vento não terem sido as mais favoráveis para este grupo. Porém, foi bastante agradável ouvir os cantos de sedução dos machos de Rã-verde (Pelophylax perezi) e Rela-meridional (Hyla meridionalis), bem como observar alguns indivíduos destas espécies.

Foi possível também observar e identificar alguns girinos de anfíbios que povoam as águas dos charcos, como o Tritão-marmorado-pigmeu (Triturus pygmaeus), a Salamandra-de-costelas-salientes (Pleurodeles waltl), o Sapo-de-unha-negra (Pelobates cultripes) e a Rela-meridional (Hyla meridionalis).

Na noite seguinte, dia 9, a aventura repetiu-se, mas desta vez no Almograve, concelho de Odemira, com a mesma dinâmica do dia anterior, porém sem a componente dos morcegos. Nesta sessão estiveram presentes cerca de 30 participantes, metade dos quais crianças que se fizeram acompanhar pelos seus pais.

A diversidade de anfíbios encontrada no charco visitado perto da Longueira entusiasmou tanto os mais pequenos como os mais velhos.

Aqui foram também ouvidos os cantos sedutores dos machos das Relas e da Rã-verde (Pelophylax perezi). Com a ajuda de alguns pais, foi possível encontrar exemplares adultos de Sapo-de-unha-negra (Pelobates cultripes), Rela-meridional (Hyla meridionalis), Rela-comum (Hyla molleri) e Rã-verde (Pelophylax perezi).

Houve ainda tempo para observar a estratégia de defesa do Sapo-de-unha-negra (Pelobates cultripes) a enterrar-se na areia com a ajuda dos seus esporões negros (tubérculos metatarsais), característica que lhe dá o nome pelo qual é vulgarmente conhecido, unha-negra. Os participantes tiveram ainda a oportunidade de apreciar as diferenças entre as duas espécies de Relas encontradas quando colocadas lado a lado.

Para todas as crianças e jovens presentes, que já tinham ouvido falar do habitat e das espécies a ele associadas durante as ações de educação ambiental do Projeto LIFE Charcos dentro das suas salas de aulas, foi uma agradável surpresa poderem ver ao vivo alguns dos anfíbios.

Para os adultos presentes, foi gratificante ver os filhos passar por experiências semelhantes às suas memórias de infância. Com estas atividades, todos os participantes puderam testemunhar a importância dos charcos temporários para os anfíbios, alvo de conservação no Projeto LIFE Charcos.


O seu browser está desatualizado!

Atualize o seu browser para ver o site correctamente. Atualizar agora

×